SINDSEMP reúne Gestão Municipal e representantes das associações e comissões da educação para discussões da proposta do plano de cargos e carreiras da educação e reformulação do EPCM

A Comissão Permanente de Políticas Públicas Educacionais, passou a tarde desta quarta-feira (29) em reunião na sede do Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina (SINDSEMP), para discutir junto a Gestão Municipal, representada pela Secretária de Gestão Administrativa, Luísa Leão, Secretária Executiva de Educação, Prof.ª. Sônia e a Diretora do RH da Educação do Município, Francisca Teonília, a proposta de plano de cargos e carreiras da educação, elaborada pela comissão e pelo SINDSEMP.

Para o presidente do sindicato, Walber Lins, a reunião surtiu efeito positivo, diante das perspectivas da categoria. “A reunião foi extremamente produtiva e proveitosa no ponto de vista de participação e principalmente foi maciça na discussão da perspectiva de construir um plano de cargos e carreiras atinente a toda a educação do município de Petrolina. Com muito esforço, dedicação e carinho nós trouxemos essa perspectiva de plano e graças a Deus estamos findando para apresentação em protocolo amanhã, dia 30, pela manhã, para que a gente possa resguardar essa concretização do plano de cargos e carreiras no ano de 2018”, complementa.

O presidente da Associação dos profissionais em Educação do Município de Petrolina (APEMPE) Carlos Odair, disse ver como um avanço muito grande esse novo EPCM, onde situações históricas estão sendo resolvidas com as negociações. “A gente espera que uma vez implementada, todas essas situações que a gente vê de pendências do quotidiano do educador, como estafa, cansaço, reclamações em relação a carga horária, sejam dirimidas”.

Sobre a viabilidade da realização das propostas, Carlos se mostra compreensivo quanto as condições de execução da Gestão. “É óbvio que a gente tem que procurar uma forma de fazer o plano viável economicamente. Tem que ser compatível com as condições financeiras do município, e em virtude disso a gente vai ouvindo cada setor, representantes de classes e todos os interessados”, afirma.

O professor Jota Menezes, que faz parte da Comissão de Políticas Públicas, vê essa comunicação com o sindicato, de forma muito positiva referente aos avanços para o servidor público municipal, e considerou a reunião bem representada por todas as partes envolvidas. “Eu penso que agora nós conseguimos consolidar todas os objetivos pautados nas reuniões preliminares. E a partir do fechamento desses objetivos, esse projeto vai ser submetido ao prefeito municipal e a partir daí começa um outro ciclo de discussões, mas estamos otimistas porque avançamos dentro da Lei, o que é mais importante, e aí fica mais fácil para que o Executivo absorva essas informações e aprove, é o que nós esperamos”, conclui.

A Diretora do RH da Educação do Município, Francisca Teonília, que também compõe a comissão, acredita que os debates que acontecem desde o mês de julho, com reuniões e estudos, tenham sido muito válidos, pelo fato de tudo que vem sendo construído nesse processo esteja de acordo com os anseios da categoria que aprovou as sugestões sem muitos acréscimos. “O mais interessante é que tudo isso foi baseado na Lei, e a gente teve uma contribuição, nos bastidores, de vários outros membros, a exemplo de Walber, do professor alfabetizador, Carlos, e de Inês que se dispôs nos finais de semana, em casa”, agradece, reforçando a contribuição também de todos do RH com as informações e dados necessários.

A vice-presidente do SINDSEMP, professora Inês Silva, considerou o trabalho muito produtivo, apesar de tantos esforços. “A gente sai bem animado. A gente nem sai cansado, porque quando a gente está fazendo o que a gente gosta, acreditando que a gente está contribuindo para uma educação melhor, uma educação de qualidade para o município de Petrolina, a gente sai entusiasmado e torcendo para que amanhã cedo a gente retome os trabalhos e avance mais ainda, estando com os resultados positivos na mão, apresentando ao Executivo, a proposta do SINDSEMP junto à Comissão de Reformulação”, afirma após finalizar uma reunião com mais de  seis horas de duração.