Temer quer liquidar o Brasil a preço de banana

Após uma reunião com empresários e ministros, o governo do ilegítimo Michel Temer (PMDB-SP) divulgou na tarde desta quarta-feira (23), um pacote de privatizações. Caso se concretize, a medida entregará para o capital nacional e internacional, a preços módicos, importantes e estratégicas empresas estatais.

Segundo anunciado, serão vendidos para a iniciativa privada ativos brasileiros como a Casa da Moeda, a Lotex - conhecida como raspadinha - e o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, um dos principais do Brasil e o único que registrou crescimento do número de passageiros nos últimos anos. Serão colocados à venda, ainda, 11 lotes de linha de transmissão, 15 terminais portuários e rodovias. O governo anunciou também a aprovação da terceira rodada de vendas do Pré-Sal e da estrutura de produção de petróleo. 

No início desta semana, o governo fez um teste anunciando a privatização da Eletrobras. O mercado aplaudiu. A CUT repudiou e denunciou que Temer decidiu vender o Brasil para conseguir recursos para reduzir o rombo nas contas públicas, de mais de R$ 159 bilhões. Para a Central, “vender os ativos brasileiros do setor de energia a preço de banana para o capital estrangeiro não vai tirar as contas do país do vermelho, vai penalizar ainda mais a classe trabalhadora e colocar em risco a soberania nacional”, conforme nota publicada.

A decisão de leiloar a raspadinha também é uma das formas de retirar recursos que seriam usados em programas sociais, conforme denunciou o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas.  Segundo a instituição “os ataques do governo atingem empresas de variados segmentos – energético, transporte, financeiro, entre muitos outros – e serviços essenciais, como saúde, educação, moradia.”

Outro grande risco à soberania nacional é deixar de produzir a própria moeda. Além da confecção das cédulas e fabricação de moedas, a Casa da Moeda imprime selos oficiais de documentos, impostos e papeis oficiais como os passaportes.

Angorá

O anúncio do pacote de privatização e concessão foi feito pela equipe do chamado PPI – Programa de Parceria de Investimentos, criada em setembro de 2016 e coordenada por Wellington Moreira Franco, relacionado ao codinome “Angorá” nas delações feitas por executivos da construtora Odebrecht.

Segundo denúncias amplamente divulgadas na imprensa comercial, Moreira Franco foi acusado, mais de 30 vezes, por executivos da Odebrecht por defender interesses da empreiteira no setor aeroportuário. E é ele quem comanda as privatizações de Temer.

E foi com este espírito que Moreira Franco, atual ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, cargo recriado para dar foro privilegiado ao delatado fiel escudeiro de Temer e casado com a sogra do atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou que, ao todo, 14 aeroportos serão leiloados junto com Congonhas.

 

Fonte: https://cut.org.br/noticias/temer-liquida-o-brasil-b4f4/